sexta-feira, 15 de junho de 2012

Onde a grama é sempre verde!

   Andei por muitos caminhos, tantos que nem posso contar. Cada um deles me conduzia sempre para o mesmo lugar: um abismo profundo, escuro, sem amor e esperança. Quando escapava de um, logo caia em outro, como era difícil. Eu só queria encontrar sorrisos, paz e um amor verdadeiro. Sofria dores terríveis no coração, cheguei a pensar em problemas cardíacos. Recorri ao plano de saúde e encontrei um especialista que pudesse me examinar. Expliquei o que sentia e o médico checou meus batimentos, fez exames e o resultado foi animador: “Seu coração está ótimo”. Saí do consultório, aliviada, mas dias depois, a dor estava no meu peito a me sufocar.
   Meu coração não me deixava dormir, comecei a ficar desesperada, sem saber o que fazer para melhorar. Procurei terapeutas e neles encontrei remédios, um azul e outro vermelho juntos a cada seis horas. Passou, a dor passou, já não sinto mais nada, só quero dormir, assim evito cair em outro buraco; entretanto, não percebi que já estava dentro de um. As pílulas, após uns meses já não surtiam efeito, mais um esforço que deu em nada.
   Certo dia alguém disse que só existia um caminho pelo qual passaria e nunca mais seria a mesma. Perguntei qual seria e me apontaram a direção. Meus passos estavam acelerados, não conseguia pensar em mais nada a não ser encontrar o tal caminho. Encontrei uma cerca, enquanto estava do lado de fora observei um pasto muito verde, foi então que percebi que o lado onde estava não havia vida. De longe um homem vestido de forma simples conduzindo ovelhas, tantas que não se podia contar. Acenei e ele veio até mim. Seu rosto brilhava, seu sorriso tão bonito e os seus olhos, ah! Os olhos fitaram os meus com tanta profundidade que parecia ler o que estava em meu coração. Pedi para entrar e fui recebida com um abraço, quando percebi já não podia conter minhas lágrimas, pois com grande amor que aquele homem me acolheu.
   Suas palavras eram doces era como se ouvisse o som de muitas águas tranquilas. Ainda envolvida em seus braços ele me disse: “Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem.” (João 10.9). Ergui meus olhos e indaguei: “Senhor, quem és tu?”. Ele respondeu: “Eu sou Jesus” e “Eu sou o bom pastor, conheço as minhas ovelhas; e elas me conhecem”. (João 10.14). “A partir de agora você é minha ovelha amada e eu te dou uma vida abundante e aqui, no meu aprisco você sempre terá alimento e eu estarei contigo para sempre”.
   Desde esse dia, nunca mais fui à mesma, na verdade, hoje sou uma ovelha muito amada por meu pastor. Não preciso de remédios, pois pelas suas feridas fui curada, não vivo na escuridão de abismos, pois Ele me trouxe para a luz. Nele tenho tudo o que preciso, aqui a grama é sempre verde, a vida é sempre abundante.

::Kátia Brito
Lagoinha.com

Obediência em amor!

“Se vocês me amam obedecerão aos meus mandamentos.” (João 14.15)
 
 Muitas pessoas declaram amar a Deus, mas será que são todas que o obedecem? As sagradas escrituras afirmam que amor sem obediência não é possível. Jesus explicou isso aos seus discípulos ao afirmar que se eles o amassem obedeceriam e guardariam os mandamentos. E ao ter essa atitude de coração temos uma revelação gloriosa: obedecendo ao Pai, Ele nos amará e juntamente com o Filho fará morada em nós (João 14.23). Pense só que bênção você e eu andando nesta Terra, cheios da presença do Deus Pai e do Deus Filho!
   Entretanto, para que isso aconteça é preciso que peçamos que o amor de Deus seja derramado em nossos corações, constantemente, para sermos como o apóstolo João, explica, em sua primeira epístola: “Se alguém obedece à sua palavra, nele verdadeiramente o amor de Deus está aperfeiçoado.” (2.5). Ser aperfeiçoado é se tornar perfeito, no caso, em amar o Senhor e sua Palavra.
   De Gênesis a Apocalipse Deus requer dos seus escolhidos apenas uma atitude, a de obedecer. “Se vocês obedecerem fielmente ao Senhor, ao seu Deus, e seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos que hoje lhes dou (…).” (Deuteronômio 28.1a). Essa sentença se repete diversas vezes na bíblia e é proposta a grandes homens como o rei Davi que escolheu obedecer e guardar os mandamentos do Senhor, mas também temos quem escolheu desobedecer, é o caso do rei Salomão que amou mais suas concubinas, se voltou para ídolos e se apartou da lei do Senhor para agradar a si mesmo. Qual tipo de filho você tem sido? O que obedece em amor ou o que tem declarado amar a Deus, mas não cumpre os mandamentos?

::Kátia Brito

segunda-feira, 4 de junho de 2012

O segundo mandamento!

   Depois de falar do primeiro grande mandamento – amar a Deus acima de tudo – Jesus fala do segundo: “Ame o seu próximo como a si mesmo”. Este segundo mandamento tem sido muito usado nos dias de hoje por escritores espiritualistas, só que de uma forma capenga que induz o seguinte raciocínio:
   “Bem, se preciso amar o próximo como a mim mesmo, é melhor eu começar a me amar mais. Hmmm… não tenho me amado muito ultimamente, não tenho me valorizado, não tenho dado a mim mesmo a auto estima que mereço…” Já percebeu onde quero chegar, não?
   Exatamente. O próximo passo é pedir ao meu próximo que aguarde uma vida enquanto resolvo essa parte de amar a mim mesmo. Isso nos leva àquela máxima cada vez mais utilizada pela propaganda: “Você merece ser feliz!” Já que o coração humano é insaciável, eu nunca vou achar que já me amo o suficiente para amar meu próximo.
  Essa atitude me leva de volta à idolatria da qual falei nos últimos 3 minutos, mais especificamente à adoração de mim mesmo. Terá sido assim que Jesus amou? Não. Para me amar ele esvaziou-se de si mesmo, veio a este mundo na forma de um servo, tornou-se semelhante aos homens, humilhou-se a si mesmo e obedeceu ao Pai até à morte, e morte de cruz. Isso sim é amor.
   Mas, por possuirmos uma natureza corrompida pelo pecado, eu e você somos incapazes de amar do jeito que Jesus amou, a menos que haja uma intervenção divina que implante em nós esse amor. Essa intervenção acontece quando você crê em Jesus e no efeito que o seu sacrifício na cruz tem sobre a culpa que você tem no cartório de Deus.
   O apóstolo João, aquele de quem é dito ser “o apóstolo que Jesus amava”, escreveu que devemos amar uns aos outros porque o amor procede de Deus e aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Percebe a ordem das coisas? Não é amando o próximo que você é salvo, mas aquele que é salvo, que é nascido de Deus, esse é capaz de amar com um amor que não é seu, mas que procede de Deus.
   O mesmo João escreveu em seu evangelho que “o Pai ama o filho [Jesus] e entregou tudo em suas mãos. Quem crê no Filho tem a vida eterna; quem rejeita o Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele.” Que ira é essa? A pena que todos nós merecemos por sermos pecadores. A justiça exige uma condenação do transgressor. Mas Deus não tem prazer em condenar você a uma eternidade nas trevas, e aí entra outra vez João em sua primeira carta:
   “Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados”. “Propiciar” significa aplacar a ira de Deus. Agora preste atenção: Jesus morreu na cruz para você ser salvo. Ele fez isso por você. Será que existe amor maior do que esse? Não. Será que existe ingratidão maior do que desprezar esse amor? Não.

Autor: Mario Persona
Fonte: O evangelho em 3 minutos 

Por que Jesus foi batizado se não tinha pecado?

   O batismo de João era batismo de arrependimento. Jesus veio de Nazaré da Galiléia, a cidade rejeitada pelos judeus. Ele não vem da Judéia nem da aristocracia religiosa de Jerusalém.  Agora surge a pergunta: Por que Jesus foi batizado se não tinha pecado?  Ele foi batizado por causa da natureza do seu ministério, porque identificou-se conosco e o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de todos nós (Is 53.6).
   O erudito do NT Dr. William Barclay diz que o batismo de Jesus nos ensina quatro verdades importantes, que mostraremos a seguir:
Primeira, o batismo de Jesus foi o momento da decisão.
   Durante trinta anos, Jesus viveu como carpinteiro na cidade de Nazaré. Desde a infância, entretanto, tinha consciência da sua missão. Aos doze anos, já alertava José e Maria acerca da sua missão. Contudo, agora era tempo de agir e iniciar o seu ministério. Seu batismo foi o selo dessa decisão.
Segunda, o batismo de Jesus foi o momento da identificação.
   Jesus veio ao mundo como nosso representante e fiador. Ele se fez carne e habitou entre nós. Ele se fez pecado e maldição por nós (2Co 5.19-21). Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e carregou sobre o seu corpo, no madeiro, os nossos pecados (1 Pe 2.24). Ele não foi batizado por pecados pessoais, mas pelos nossos pecados imputados a ele. Jesus foi batizado a fim de expressar sua identificação com o povo.
Terceira, o batismo de Jesus foi o momento da aprovação.
   Quando Jesus saiu da água, o céu se abriu, o Pai falou e o Espírito Santo desceu. Ali estava a Trindade referendando seu ministério. O Pai afirmava sua filiação e declara que em Jesus e na sua obra Ele tem todo o seu prazer. A pomba deu sinal do término do julgamento após o dilúvio na época de Noé. A pomba agora dá o sinal da vinda do Espírito Santo sobre Jesus, abrindo-nos o portal da graça.
Quarto, o batismo de Jesus foi o momento da capacitação.
   Nesse momento o Espírito Santo desceu sobre Ele. Ele foi cheio do Espírito Santo. Jesus como homem precisou ser revestido com o poder do Espírito Santo. Ele foi batizado com esse poder no Jordão. Ele foi guiado pelo Espírito ao deserto. Ele retornou à galiléia no poder do Espírito Santo. Ele agiu no poder do Espírito Santo na sinagoga. Ele foi ungido pelo Espírito para fazer o bem e curar todos os oprimidos do diabo (At 10.38).
Nele, que cumpriu toda a justiça de Deus.

Pr Marcelo Oliveir
Fonte: GospelPrime

O parentese profetico!

   Falei de um parêntese que já dura mais de 2 mil anos, o período da Igreja, que é o conjunto de todos os que creem em Jesus. A Igreja não aparece no capítulo 24 de Mateus, que trata de Israel e do mundo de um modo geral, e particularmente do remanescente de judeus que ainda irão crer em Jesus. Esse parêntese começou com a formação da Igreja no capítulo 2 de Atos dos Apóstolos, quando Deus deixou de tratar com Israel e passou a tratar com o conjunto dos que se convertem a Jesus, sejam eles judeus ou gentios. Esta é a Igreja ou Corpo de Cristo.
   Esse parêntese termina com um evento conhecido como Arrebatamento e descrito em 1 Tessalonicenses 4. Ali Paulo diz que “nós, os que estivermos vivos, os que ficarmos vivos até a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem”, isto é, aqueles que morreram na fé. Paulo se inclui entre os que ficariam até essa vinda do Senhor, pois esse evento não tem data para ocorrer. Tanto podia ter ocorrido nos dias do apóstolo, como pode ocorrer daqui a cem anos. Porém há indícios de que não vá levar cem anos.
   Ainda que as profecias bíblicas tratem de Israel, e não da Igreja, pelo que escreveu o profeta Daniel e por outras passagens sabemos que a vinda de Jesus para estabelecer o seu reino deveria ocorrer sete anos após sua morte. Como o período da Igreja é um parêntese, uma inserção que teve início após a morte de Jesus, esses 7 anos estão numa espécie de animação suspensa. O gatilho para o relógio profético voltar a funcionar é o arrebatamento da Igreja.
   Imagine que você viaje para visitar um amigo que mora 7 quilômetros antes da fronteira com a Argentina. Não há qualquer placa na estrada indicando quanto falta para chegar à casa de seu amigo, mas há placas indicando quanto falta para chegar à fronteira. O capítulo 24 de Mateus e outras profecias são as placas ou sinais que indicam quanto falta para a fronteira, para Cristo voltar em glória. Sete anos antes ocorre o arrebatamento.
   A carta aos Tessalonicenses revela que, no arrebatamento, o Senhor Jesus descerá do céu, mas sem colocar os pés na terra, como acontecerá 7 anos depois quando vier para reinar. No arrebatamento ele vem só até as nuvens, e os que morreram na fé, ressuscitarão primeiro. Em seguida, os vivos que creem em Jesus terão seus corpos transformados e serão arrebatados para encontrar o Senhor nos ares. Nada disso será visto pelos incrédulos, como aconteceu com Jesus, que foi visto por mais de 500 discípulos depois de ressuscitar, mas por nenhum incrédulo.
   Duas classes de pessoas serão deixadas para trás no arrebatamento: os que ouviram o evangelho e não creram em Jesus, inclusive os que crêem só da boca pra fora, e aqueles que nunca foram evangelizados. Os primeiros jamais terão outra chance, apesar de muitos continuarem frequentando seus templos e serviços religiosos. Do outro grupo, dos que nunca foram evangelizados, muitos se converterão a Jesus, liderados por um remanescente de judeus convertidos e fiéis. É a eles que Jesus dirige o seu discurso do capítulo 24 de Mateus.

Autor: Mario Persona

quarta-feira, 9 de maio de 2012

A promessa é sempre maior que o deserto !

  “Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo (...) Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviam". (Mateus 4:1,11)
   Todos passam por um deserto. Nem Jesus escapou disso. Se aprendermos a administrar nossa vida enquanto estivermos no deserto, seremos conquistadores. Caso contrário, nenhuma outra situação mais nos ensinará. Se você passar pelo deserto e não souber tirar lições dele, em nenhum outro lugar aprenderá a ver a dimensão do Reino de Deus.
   O deserto é o lugar onde:
   . Não se compra
   . Não se vende
   . Não se desperdiça
   . Não se economiza
   . Não se guarda para amanhã
.   Há provisão diária.
No deserto, quanto mais se depende de Deus e confia nEle, mais preparada a pessoa estará. Quanto mais você se aproximar de Deus, mais pecador se sentirá e será mais desafiado a ser santo.
Quando nos aproximamos muito de Deus, percebemos o quanto somos carnais e o quanto temos necessidade de fazer uma aliança. O Espírito Santo permite que cheguemos até o deserto, para aprendermos a depender apenas de Deus.
    Você vai ao deserto para:
   . Renovar a autoridade
   . Treinar a administração de santidade
   . Transformar-se em um líder manso e autêntico
   O resultado disso é:
   . Vitória sobre Satanás e seus demônios
   . Restauração da comunhão com o Pai
   . Descoberta dos benefícios de ser servido pelos anjos
   . Restauração do ministério
   . Autoridade para entrar na terra
   . Conquista de territórios novos.
No deserto, aguçamos a sensibilidade. Ficamos mais sensíveis, perceptíveis e aprendemos a recobrar valores. Uma das coisas que passamos a entender sobre valores quando saímos do deserto e entramos na terra prometida é que saímos da escassez e entramos na prosperidade. Há um novo suprimento, teremos o fruto da terra e seremos treinados em:
Gratidão. Muitas pessoas já entraram e saíram de inúmeros desertos, não são mais as mesmas, mas ainda precisam aprender a agradecer a Deus. Devemos manter no nosso coração a gratidão.
   Comunhão. Após enfrentar o deserto, compartilhamos das experiências que passamos com outras pessoas e elas são edificadas. Isso gera comunhão e fortalecimento, pois os que vencem deserto têm autoridade para ministrar sobre outros a sua experiência.
Consciência da dependência das pessoas. No deserto, recebemos a consciência da dependência que temos das pessoas. Passamos a saber o real valor de um amigo e também o valor daqueles com quem convivemos. Isso ocorre porque deserto forma caráter e adestra temperamento.
  Quem pode ensinar-nos muito sobre deserto é a vida de Moisés e Josué. Eles experimentaram como ninguém essa transformação de mudança de caráter e de temperamento.
Moisés
   Você, com certeza, ouviu falar muito no líder justo, enérgico e temente a Deus chamado Moisés. A Bíblia diz que ele foi o homem mais manso de toda a terra. Mas, você também, já ouviu falar no Moisés assassino, brigão e fugitivo. Diante de tantas qualidades que Moisés teve, fica até desconfortável imaginá-lo como um assassino.
   "E aconteceu naqueles dias que, sendo Moisés já homem, saiu a seus irmãos, e atentou para as suas cargas; e viu que um egípcio feria a um hebreu, um do seu povo. E olhou a um e a outro lado, e, vendo que não havia ninguém ali, matou ao egípcio, e escondeu-o na areia... Ouvindo, pois, Faraó este caso, procurou matar a Moisés; mas Moisés fugiu de diante da face de Faraó...” (Êxodo 2:11,12,15)
   Foram necessários 40 anos numa terra estranha, Midiã, para que o líder Moisés estivesse preparado para ficar à frente de uma multidão. E mais um pouco de tempo no deserto passou esse homem enfrentando a multidão, que não era nem um pouco amistosa.
   Moisés recebeu críticas severas ‘na cara’ até dos irmãos Arão e Miriã, que não tinham mais do que reclamar, e resolveram implicar com a cunhada. Ou seja, como se não bastasse todo o problema do povo, que murmurou por causa da comida (Números 11:4-6) e sofreu com uma praga (Números 11:33), ele também teve que aturar os de sua casa falando mal da mãe de seus filhos.
   Eram problemas no trabalho e em casa, e tudo isso literalmente no deserto! E a Bíblia aproveitou exatamente esse momento de briga de família para registrar a transformação ocorrida no temperamento de Moisés: “E falaram Miriã e Arão contra Moisés, por causa da mulher cusita, com quem casara; porquanto tinha casado com uma mulher cusita. E disseram: Porventura falou o Senhor somente por Moisés? Não falou também por nós? E o Senhor o ouviu. E era o homem Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra.” (Números 12:1-3)
   E você, como reage quando é criticado no trabalho por todo mundo, chega a sua casa e alguém da sua família ainda o confronta por causa dos seus erros? E se for o discipulador que o ‘aperta’ por causa de um problema no seu caráter que precisa de ajuste? Qual a sua reação? A Bíblia diz que mesmo recebendo as críticas, Moisés era manso.
Continua...

MIR12.COM.BR

A promessa é sempre maior que o deserto - Final!

  “Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo (...) Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviam". (Mateus 4:1,11)
   Na semana anterior, estudamos sobre o fato de que todos passam por um deserto e que nem Jesus escapou disso. Aprendemos que é necessário administrar nossa vida enquanto estivermos no deserto para nos tornamos conquistadores. Caso contrário, nenhuma outra situação mais nos ensinará. Se você passar pelo deserto e não souber tirar lições dele, em nenhum outro lugar aprenderá a ver a dimensão do Reino de Deus.
   Agora estudaremos sobre a vida de Josué e sobre os outros ensinamentos que o deserto traz para nossas vidas.
 Josué
   Josué andava com o líder, sempre atento ao que Moisés fazia. Teve até ciúmes quando dois homens que não eram ‘do seu grupo’ profetizaram (Números 11:27-29). Josué e Calebe foram os únicos dos 12 espias que não se assustaram com os gigantes para conquistar a terra (Números 14:6-9).
   Porém, depois da morte de Moisés, Deus precisou encorajar Josué. “Esforça-te, e tem bom ânimo; porque tu farás a este povo herdar a terra que, sob juramento, prometi dar a seus pais. Tão-somente esforça-te e mui corajoso (...) Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares.” (Josué 1:6,7,9)
   Percebemos claramente na vida de Josué que uma coisa é fazer parte da liderança e se despreocupar por ter alguém experiente por perto; outra coisa é assumir o governo de uma multidão e, paradoxalmente, se ver sozinho, como líder, principalmente no deserto.
   Mas, vemos o resultado da ordem de Deus a Josué no capítulo 12. “Estes, pois, são os reis da terra, aos quais os filhos de Israel feriram e cujas terras possuíram além do Jordão para o nascente do sol, desde o ribeiro de Arnom, até ao monte de Hermom, e toda a planície do oriente (...) trinta e um reis ao todo.” (Josué 12:1 e 24)
   Moisés conquistou um povo, Israel, enquanto estava no deserto. Josué, preparado no deserto, entrou na terra prometida e conquistou 31 reinos. Que experiência tremenda esses homens tiveram no deserto! Ali foram forjados no caráter e no temperamento, e viveram situações que foram suficientes para fazer deles líderes de excelência.
   Após passarmos pelo deserto, passamos a:
  1. Compreender
Compreender aqueles que enfrentam o mesmo nível de dificuldades ou até mesmo dificuldades maiores. Compreendemos que a dor do outro deve ser respeitada e orada por nós. Também somos compreendidos pelos que estão vivendo um momento similar.
   2. Cuidar melhor de nós mesmos, da família e dos amigos
O deserto devolve a nossa humanidade, olhamos para os outros com respeito, porque percebemos que todos somos iguais. Automaticamente, passamos a cuidar melhor da nossa vida, da família e dos amigos que Deus nos deu, pois entendemos que tudo o que temos vem dEle.
   3. Ser mansos
Se não nos amansarmos no deserto, não vamos ser domados em nenhum outro lugar. Infelizmente, há pessoas que insistem em não aprender a lição que Deus quer lhes dar no deserto. Mas deserto é lugar de aprender a ser domesticado, a ser amansado. Não que sejamos animais, mas, às vezes, agimos como verdadeiras feras, não é verdade?
   4. Saber que só Deus pode ajudar-nos
No deserto, chega um momento que descobrimos que o líder é importante, os amigos são importantes, mas que tanto líder como amigos são instrumentos para aliviar a dor e nos ajudar, porém nossa dependência vem do Senhor.
No deserto, também temos oportunidade de aprender que:
   . As lágrimas são enxugadas;
   . O medo é arrancado;
   . O ânimo é renovado;
   . A fidelidade é treinada.
Todo deserto tem um começo e um fim. Se você estiver passando por um deserto, quando chegar ao outro lado e olhar para trás, verá que nasceu um líder de êxito, manso e de autoridade. Tenha consciência de que todos nós precisamos e vamos passar por desertos; faz parte do aprendizado da vida.
   O melhor do deserto, além do aprendizado que ele nos traz, é saber que não estamos sozinhos, o Espírito Santo nos guia no deserto.
   Os homens caem porque confiam em si mesmos. Jesus foi levado ao deserto pelo Espírito Santo para ser tentado pelo diabo e venceu. Jesus sabia que, como homem, se não estivesse preparado e guiado pelo Espírito, o diabo o venceria.
   Quando Deus fortalece nosso caráter no deserto, nenhum principado nos vence, pois o inimigo não nos pega despreparado. Bem-vindo ao deserto! Ele não é maior que a promessa.

MIR12.COM.BR

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Após recém-nascido falecer em hospital, médica cristã ora e o bebê ressuscita!

   Um recém-nascido que foi levado ao hospital em estado crítico, não suportou os efeitos da desidratação, desnutrição e septicemia e faleceu. Porém, a médica responsável pelo atendimento era cristã, fez uma oração e a criança reviveu.
   A doutora Marta Martínez concedeu uma entrevista ao Christian News Today relatando sua experiência: “Eu vivi este milagre alguns anos atrás, enquanto estava trabalhando em um hospital numa cidade pequena, longe da capital”, disse a médica uruguaia.
   Ela conta que chegou a desistir de tentar fazer algo pela criança, devido ao seu estado e às condições sociais da família.
   “Era um bebê com cerca de um mês de idade e sua mãe era uma adolescente muito pobre. O bebê chegou ao hospital em estado crítico, com desidratação, desnutrição e septicemia. Não parecia que podíamos fazer algo para mudar o quadro. Ele morreu pouco tempo depois. Eu estava observando-o no momento da morte, e pensei: ‘É melhor para ele morrer, porque no meio ambiente que vive e esse tipo de família, ele não teria qualquer chance de sucesso. Toda a sua vida seria um ‘Calvário’, com falta de esperança e sem oportunidades”, relata a médica.
   A Dra. Martínez porém afirmou que sentiu um desejo repentino de orar pela criança: “Senti Deus falando comigo: ‘Ele tem o direito de viver’. Imediatamente, coloquei minha mão sobre o menino, comecei a orar e agradecer a Deus por aquela vida. Ele foi ressuscitado. Voltou a viver! Foi um milagre incrível”.
   Após a ressurreição, a criança foi transferida pra um hospital com mais recursos, onde foi submetido a tratamento intensivo. A médica relata que meses após, precisou ir ao hospital onde a criança havia sido internada, e teve foi surpreendida pela enfermeira chefe, que contou que a criança havia melhorado.
   “Quando o vi, fiquei surpresa ao ver que ele era um bebê muito grande e saudável. Deus me permitiu ver o milagre completo. Eu vi também outras curas. Acredito na cura divina, porque, em primeiro lugar, está escrito na Bíblia, e segundo porque vi outros curados de uma maneira milagrosa. Também tive experiências em meu próprio corpo”, testemunha a Dra. Martínez.
   Maria Martínez acredita que a fé na cura divina não pode ser deixada de lado: “Não apenas os médicos cristãos, mas todos os cristãos devem acreditar na cura divina. Isso está escrito na Bíblia e também foi uma parte muito importante do ministério de Jesus na terra”.
   Atualmente a Dra. Martínez está na cidade de Nairobi, no Quênia, onde participará nos dias 25 e 26 /05 da Conferência Anual da Rede de Médicos Cristãos (WCDN), organização interdenominacional que reúne profissionais da área de saúde em todo o mundo.

Fonte: Gospel+

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Cid Moreira confessa: ‘Jesus Cristo é o Salvador’

   Cid Moreira confessou sua fé em Jesus Cristo como seu único salvador em entrevista ao The Christian Post, durante o Salão Internacional Gospel, que aconteceu em São Paulo, e falou sobre sua experiência com o Espírito Santo.
   Apesar de muitos questionarem a sua real motivação, Cid Moreira diz claramente que acredita em Jesus Cristo como seu único e real salvador. “Jesus é tudo, é o caminho a verdade e a vida”, disse ele ao CP, falando também sobre como vem sentindo a presença Espírito Santo nos últimos anos. “Conversando com colegas cristãos como eu, eles também sentem isso (…) E isso me dá o entusiasmo para cumprir o compromisso que eu fiz”.
   O dono da voz mais famosa do Brasil explicou que seu contato com a religião veio através de suas pesquisas, mas que seus olhos estacionaram na bíblia. “Eu sempre pesquisei religião, passei por várias fases e meu pensamento voou muito por aí até que ele pousou na bíblia. Hoje eu sou com a graça de Deus um divulgador da bíblia”.
   Famoso por ser um jornalista da Rede Globo, Moreira gravou seu primeiro trabalho com Salmos, em 1992. Em seguida, em 1994, fez outras três produções em outra gravadora, que incluem: “Quem é Jesus”, “Sermão da Montanha” e novamente “Salmos”.
   Na maior de suas oportunidades, em 1998, ele fez a gravação de pequenas passagens da bíblia, as mais populares, que foi divulgada em todo o país. Foram vendidos mais de 30 milhões de CDs.
   Cid Moreira confirma que seu trabalho é uma forma de evangelismo. “Muitas pessoas na rua vem me agradecer por essas mensagens, e eu vou ficando cada vez mais entusiasmado”. Ele também disse que isso tem marcado a sua fé e por isso está investindo no seu futuro espiritual e dando um exemplo para todos investirem em quanto é tempo.

Verdade Gospel

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Quem pode ser abençoado?

“Que Deus te abençoe!”
   Ouvimos essa expressão várias vezes durante a semana. É comum ainda em algumas famílias que os filhos peçam a benção para seus pais ou avós. Contudo, o que é a benção de Deus? Quem pode ser abençoado?
   Eu dividiria o que seria a benção de Deus em três etapas (todas elas totalmente vinculadas à graça e misericórdia de Deus pois não merecemos nenhuma delas):
   A primeira seria a benção da vida, do ar que respiramos, a benção de ter saúde, de desfrutar de uma família, da chuva, de toda a criação que Deus fez e nos colocou como gerenciadores de tudo isso. Aqui também incluiria a questão da prosperidade financeira.
   No caso desta primeira benção, ela vem de Deus para qualquer um, sem distinção de cor, sexo, idade ou religião. Os cristãos não são mais abençoados do que os outros por crerem em Cristo, pelo menos não neste sentido. Os cristãos não possuem mais saúde, ou dinheiro (diferentemente do que pregam algumas igrejas), ou tem mais ar para respirar e nem vivem mais pelo fato de servir a Deus. Essa benção é para todo mundo.
   A segunda parte da benção seria a salvação. Esta é apenas para aqueles que crêem. Quando cremos em Cristo, nossos olhos espirituais são abertos e passamos a ver as coisas de Deus. Deus se faz presente em nossa vida e começa a direcionar nossos passos. Esse momento da conversão talvez seja o ponto alto da vida de muitos cristãos. Porém não é a plenitude da benção de Deus.
   A terceira parte, que eu chamo de A Benção de Deus, está disponível para quem a buscar, porém só é desfrutada por poucos homens. Muitos chegam até a benção da salvação, param por ali e vivem um relacionamento com Deus distante e de conveniência. Contudo, há algo muito maior do que tudo isso, que é o próprio Deus.
   A maior benção que podemos ter nesta terra não é a prosperidade financeira, não é ter muitos filhos, não é ter muita sabedoria, apesar de todas essas coisas serem de fato muito boas. A melhor coisa que pode nos acontecer é termos a presença de Deus em nossa vida.
   Em um certo momento Deus disse a Moisés (Êxodo 33): – Estou farto do pecado deste povo. Vou abençoar vocês. Vou fazer que entrem na terra prometida, a terra que prometi dar aos pais de vocês, que mana leite e mel. Porém não ficarei com vocês para que não os destrua!
   O Senhor falava com Moisés face a face (significa que a presença de Deus estava com Moisés).
   Porém Moisés respondeu diante da afirmação de Deus: – Não nos faça subir a este lugar se a tua presença não for conosco!
   Este pequeno diálogo revela algo profundo demais a respeito de Moisés. Ele tinha A Benção de Deus. A presença de Deus estava com ele e isso era seu maior tesouro. De tal forma que ele diz: Eu não quero esta benção, eu não quero a terra que mana leite e mel, a terra que o Senhor nos prometeu, onde teremos paz e prosperidade, não quero nada disso se o Senhor não estiver comigo.
   Muitos trocam a presença de Deus por 5 minutos de prazer. Moisés não trocava a presença de Deus por nenhum tesouro deste mundo.
   A maior benção que podemos ter é caminhar ao lado do Soberado Deus. É tê-lo como amigo, como Abraão.
   Esta benção é para poucos, porém aqueles que buscam a face de Deus, aqueles que estão dispostos a ouví-lo e obedecê-lo, estes terão A Benção de Deus, por meio de Cristo Jesus, nosso Senhor!

Gospelmais.com.br

Onde está o alvo?

Texto: Filipenses 3:12-14
Introdução:
    Alguma vez você já se perdeu? Eu não estou falando de religião. Quero dizer honestamente, você não sabia onde você estava naquele momento, meio perdido. Homens, mulheres nos acusam de não admitir isso quando estamos perdidos. Dizem que nós somos orgulhosos demais para confessar que tomamos um rumo errado. Bem, eu não estou preparado hoje para dizer que eles estão certos. Mas, vou dizer-lhe que me mata ter que parar em um posto de gasolina para pedir informações, quando estou viajando.
   Às vezes, porém, mesmo a pessoa mais teimosa é forçada a admitir que se equivocou e tomou o caminho errado. As circunstâncias são tão bizarras que você simplesmente não pode negar o erro.
    O apóstolo Paulo conhecia o perigo, e assim ele diligentemente colocou o seu coração em um objetivo, e um único objetivo – viver para agradar a Jesus.
    Eu acredito que a igreja deve se esforçar persistentemente para atingir a meta de se tornar tudo o que Cristo quer que ela seja. Mas, como é que esta igreja pode realizar a tarefa? Junte-se a mim em uma olhada nas reflexões de Paulo sobre sua vida, e acredito que podemos descobrir alguns princípios que nos ajudarão a alcançar nossos objetivos.
I. Para alcançar nosso objetivo, devemos parar de olhar para trás. (V. 13).
   A. Paulo compreendeu o princípio de deixar o passado ser passado.
   B. Esta não é claramente uma ordem para esquecer tudo no passado.
1. A própria Bíblia, em muitos lugares, indica que há algumas coisas que vale a pena lembrar.
2. Essas memórias podem, de fato, trazer força e fé em nossas vidas nos momentos de fraqueza e de dúvida.
   C. Mas, eu acredito que este é um princípio que declara que não podemos viver no passado.
II. Para alcançar nosso objetivo, não devemos ficar parados. (V. 12).
A. Paulo sabia que, apesar de tudo o que ele tinha feito, ele nunca tinha completamente “abraçado” o propósito de Cristo para sua vida.
B. Se crescemos complacentes, se aceitamos o status quo, sem perguntas, então vamos ter deixado de crescer.
C. Mas, se estamos dispostos a aceitar que não somos tudo o que podemos ser – se estivermos dispostos a aceitar o desafio de mudar e crescer na fé – então estamos no bom caminho para se tornar o que Deus quer que sejamos.
III. Para alcançar nosso objetivo, devemos seguir em frente. (Vv. 13-14).
A. Paulo acreditava que ele havia sido salvo por uma razão – e dedicou sua vida ao cumprimento dessa razão!
B. Você acredita que há um propósito para nós os Batistas? (Compromisso com a honestidade)
1. Eu não estou procurando opiniões teóricas.
2. Eu estou perguntando a você “onde está o seu coração para esta igreja, para a chamada de Deus nesta congregação?”.
C. Se você acreditar, você vai ser dedicada ao futuro – comprometido com a tarefa com todo o coração, com tudo o que você é?
    Para onde vamos a partir daqui? Como indivíduos e como o Corpo de Cristo, nosso objetivo final sempre é ser como Jesus, para trazer honra ao seu nome, para ser seu povo no sentido mais amplo, para realizar a tarefa que ele colocou diante de nós, para seguir em frente e para cima. Se a igreja Batista, compromete-se a isso, então ela vai cumprir a sua tarefa. Se, como uma igreja, você vive no passado, ou, você está satisfeito onde você está agora, então você terá um tempo difícil para atingir a meta.
Conclusão:
   Hoje, eu encorajo você a fazer um compromisso para o futuro. Deixe Deus se apossar de seu coração e movê-lo, como povo, para onde você deve estar. Comprometa-se com uma coisa, a pressão sobre a vocação que é sua em Cristo Jesus! E então você, então, juntos, vamos saber como chegar ao objetivo!
Autor: Pr. Aldenir Araújo

Fonte: http://estudos.gospelprime.com.br/onde-esta-o-alvo/#ixzz1sEZZDhKm

terça-feira, 27 de março de 2012

O amuleto!

   Um granjeiro pediu certa vez a um sábio que o ajudasse a melhorar o rendimento de sua granja.
    - Vou deixar com você este poderoso amuleto, disse o sábio, enquanto tirava da sua sacola uma pequena caixa de madeira.
   Escreveu uma frase mágica, lacrou a caixa e a entregou para o granjeiro:
   - Esta caixa vai mudar a sua sorte. Dentro dela há um segredo milenar. Você não deve tentar abrí-la.  Apenas a leve por todos os lados da sua granja, três vezes ao dia. Daqui a um ano virei buscá-la.
   E o granjeiro cumpriu as ordens do sábio.
   No primeiro dia, logo pela manhã, encontrou um de seus empregados dormindo, escondido, num monte de feno. Chamou sua atenção e o reorientou.
   Num outro dia, ao meio dia, quando foi ao estábulo, encontrou o gado sujo e os cavalos sem ração. Chamou o responsável pelo setor, chamou sua atenção e também o reorientou.
   Noutra ocasião, passou pela cozinha e se deu conta de que o cozinheiro estava cometendo muitos desperdícios. Reorientou-o também.
   Ao final do ano, quando o sábio veio buscar seu amuleto, ele lhe disse:
   - Deixa esta caixa comigo por mais um ano, por favor, minha granja melhorou muito desde que você a deixou aqui.
   O sábio riu e, abrindo a caixa, disse :
    - Podes ter este “amuleto” pelo resto da sua vida. O segredo milenar é simples.
  E leu para ele o que estava escrito no papel:
  
   "Se queres que as coisas melhorem,
  acompanhe-as constantemente."

 Feliz é o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire entendimento.
Provérbios 3.13

Gospel Prime

terça-feira, 20 de março de 2012

Jogador Rivaldo é contratado por time de Angola e construirá igreja no país!

  O jogador Rivaldo, pentacampeão com a Seleção Brasileira em 2002, deixou o São Paulo para assinar contrato com o time angolano Kabuscorp. O jogador anunciou que sua ida ao país africano não é só para jogar futebol, pois há cinco meses ele teria comprado um terreno na Angola para construir uma igreja.
   Rivaldo que é evangélico está empenhado em levar a Palavra de Salvação para aquele país ao lado de seus líderes, os bispos Victor e Rosaline Adewole da Igreja Shammah.
   “Minha vinda a Angola vai muito além do futebol. Estou muito feliz, hoje fui visitar o nosso terreno, igreja Shammah ‘Deus esta aqui’”, escreveu ele em seu Twitter.
  O jogador ainda postou fotos do terreno comprado e também da primeira pedra colocada marcando o início da construção do templo. Muitas pessoas comentaram a atitude de Rivaldo, entre elas o apóstolo Estevam Hernandes, líder da Igreja Renascer em Cristo.
   “Louvei a Deus pela tua vida, fizemos a 1º Marcha para Jesus em Luanda em 2001, amo esse país, Deus vai t usar para salvação de vidas”, escreveu Estevam. O jogador respondeu também pelo microblog falando sobre as dificuldades de ministrar na África: “Amém apóstolo este país precisa muito da nossa ajuda, uma pena que muitos não entendem esse nosso propósito. Nos vemos aqui abraço”.

Fonte: GOSPELPRIME

Jogador da seleção pode ser pastor em breve!

   Maybyner Rodney Hilário, ou como ficou mais conhecido, Nenê Hilário, é um conhecido pivô de basquete da seleção brasileira, que está na NBA desde 2002.
   Durante sua carreira no Denver Nuggets, teve várias temporadas vitoriosas. Em 2003 foi escolhido um dos melhores no Desafio dos Novatos. Já em 2006-2007 ajudou seu time a chegar às finais.
   Mas o ano de 2008 foi terrível para ele. Nenê teve problemas sérios quando sofreu uma torção no joelho e ficou quase um ano sem jogar. Depois, lutou contra um câncer nos testículos e viu sua mulher ser diagnosticada com câncer também.
   Homem de fé, o evangélico Nenê teve um retorno triunfal na temporada seguinte e foi considerado um dos melhores jogadores da Liga naquele ano.
   Depois de quase sua encerrar a carreira por causa da doença, declarou que estava feliz “Deus nos testou e agora a gente merece essa graça”, garantiu na época. Ele também passou a jogar com a inscrição “Jesus” em seus tênis.
   Durante uma entrevista ao site americano Fanhouse, declarou que pretendia se aposentar até 2015, dividindo seu tempo entre o Brasil e os Estados Unidos. O motivo principal é que pretende se dedicar mais à igreja evangélica que frequenta.
    “Cada ano é mais difícil… Tenho outros objetivos, já tenho um acordo com meu pastor para me envolver com a igreja. Se minha situação financeira está estável, porque vou continuar apenas por dinheiro? Acho que o melhor que posso fazer é com a igreja.”, afirmou em 2009.
   Seu objetivo é claramente outro: “Posso usar meu testemunho para mudar a vida das pessoas, falar do que eu passei, de minhas lesões e de ser um sobrevivente de câncer”.
   Mas a aposentadoria pode vir mais breve do que se pensa. Antes cotado para defender os melhores times da NBA, foi negociado de maneira surpreendente com o Washington Wizards este ano. Porém, ele está decepcionado, pois trata-se do segundo pior time da temporada. “Às vezes, a NBA pode ser um negócio sujo. Foi uma coisa maluca, dura e nem gostaria de falar muito sobre isso porque nem sei direito o que aconteceu”, declarou.
  O Denver Nuggets renovou o contrato com ele ano passado, mas em 2012 fez uma  troca com os Wizards pelos jogadores JaVale McGee e Ronny Turiaf. Mesmo encarando outro momento difícil, afirmou “Eu confio em meu Deus. Ele me colocou aqui e sei que quando ele me troca de lugar ou para alguma coisa é para o meu bem. Agora eu vou tentar fazer o meu melhor, me preparar para uma nova carreira e tentar ser um homem melhor”.
   O tom de despedida, ao falar de outra carreira, pode indicar uma mudança drástica das quadras para os púlpitos em breve “Tenho um acordo com meu pastor. Quero ficar envolvido com a igreja aqui no Brasil,” disse ele, que é membro da igreja Deus é a Resposta.

 Com informações R7, ESPN e Fé Campeã

segunda-feira, 19 de março de 2012

Loucura!

   Nas grandes cidades, onde há um grande conglomerado de pessoas, é muito comum passar por centenas e até milhares de pessoas por dia.
   Nos acostumamos com grandes quantidades de pessoas. Para quem mora em São Paulo, não é incomum entrar em um metrô às 18hs e não precisar nem segurar em nenhum apoio, dado que há mais pessoas por metro quadrado do que na 25 de março em época de Natal.
   Passamos por pessoas na rua mas não notamos ninguém.
  No meio do caminho encontramos um morador de rua caído no chão. Simplesmente desviamos o caminho e continuamos. Logo em seguida um grupo de adolescentes com cabelos esquisitos e roupas estranhas. Não é difícil encontrar algum casal de homossexuais também, um deles sofreu abuso na infância. Passamos por uma senhora com olhar triste por seus filhos não a procurarem e seu marido já ter falecido, porém ninguém sabe disso na rua.
   No meio de caminho vemos um executivo andando rápido para uma reunião, quase não dá para perceber que está em processo de divórcio e seu coração está quebrado por ver seu filho adolescente revoltado com isto e voltou completamente bêbado e drogado para casa no último sábado.
   Por fim uma jovem de roupa preta com olhar pertubado passa e está planejando como vai se matar.
   Enfim, passamos por tanta gente mas não enxergamos ninguém.
  É bem estranho, pois tudo que cada uma dessas pessoas quer é ser notado. Todos queremos ser notados, queremos estar inseridos em algum lugar onde somos queridos, bem quistos.
   Nessa correria tudo passa pela nossa cabeça, as coisas a fazer, o dinheiro a ganhar, as contas a pagar, onde temos que ir. E nos perdemos no meio do caminho. Em algum lugar perdemos a essência da nossa alma. Em algum lugar ficou para trás aquela criança sonhadora que queria se divertir e que acreditava realmente que Deus podia fazer todas as coisas.
   Nos perdemos no meio da loucura da vida, e nos tornamos loucos. Loucos por deixar nossa vida ser apenas uma estatística. Loucos por permitir que nossos semelhantes estejam em situações deploráveis, loucos por colocar aquilo que é inútil no lugar daquilo que é imprescindível. Loucos.
   Quando chegamos no ápice da loucura, então olhamos para cima. Deus por quê? Onde está o Senhor? Por quê minha vida está desse jeito?
   E Deus olha para nós com amor e nos ajuda a voltar a ser como aquela criança. Ele sequer passa um sermão dizendo que a culpa é toda nossa. Ele nos levanta, nos abraça e nos direciona para um novo caminho.
   É nesse caminho que quero estar. Onde há pessoas de verdade. Indivíduos notáveis e admiráveis. Cada um com características maravilhosas. Cada um criado a imagem e semelhança de Deus, cada um com a eternidade em seu coração.

GOSPELMAIS

Coisas que declaramos crer, mas que provavelmente não cremos!

   1) Declaramos acreditar que, a Bíblia é a palavra de Deus – Mas quantas horas por dia passamos lendo, meditando e aprendendo com a Bíblia?
   2) Declaramos acreditar na missão da Igreja – Mas quantas almas ganhamos para Cristo? – O que temos feito realmente por missões? – Quanto tempo passamos em oração pelas almas?
   3) Declaramos acreditar que, buscando o Reino de Deus e a sua justiça, as demais coisas são acrescentadas – Mas porque a maioria dos cristãos passam a maior parte do tempo buscando as demais coisas?
   4) Declaramos acreditar que existe o inferno – Mas qual tem sido a nossa urgência diante desta declaração em pregar o evangelho de Cristo para regatar vidas da perdição eterna?
   5) Declaramos acreditar que existe o céu – Mas porque não vivemos na terra com a alegria, a esperança e a fé daqueles que herdarão a eternidade com Cristo? Uma vez que, infelizmente, muitas pessoas não desejam serem cristãos pelo péssimo testemunho de alguns que cantam “Aleluia para o céu eu sigo caminhando”.
   6) Declaramos acreditar que a Igreja é um corpo e uma família – Mas porque muitas pessoas que se dizem igreja, vivem se gladiando e guerreando entre si?
   7) Declaramos acreditar no poder da oração – Mas quanto tempo dedicamos a orar e falar com Deus?
   8 -Declaramos acreditar nos estragos causados pelo pecado – Mas quanto vigiamos e lutamos contra o pecado?
   9) Declaramos acreditar no arrebatamento da Igreja – Mas porque muitos cristão vivem como se nunca deixariam o mundo?
   10) Declaramos ser amigos de Cristo – Mas a declaração de Jesus é está: “Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.” (João 15.14)
Oração: Pai, que as nossas declarações de fé não sejam apenas expressões ideológicas condicionadas à religiosidade, mas que antes, seja realmente a expressão de nossas vidas em gratidão pelo Teu amor revelado em Cristo Jesus, nosso Senhor!

Fonte: Gospelprime

sábado, 17 de março de 2012

Israel estreita laços com Brasil e oferece ajuda na segurança!

   Israel quer estreitar a cooperação nas áreas de ciência e tecnologia e de segurança nacional com o Brasil. Isso inclui ajuda para montar o esquema de segurança das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. A informação é do vice-ministro israelense de Relações Exteriores, Daniel Ayalon, que está visitando o Brasil. Nesta quarta-feira, ele teve reuniões com o presidente do Senado, José Sarney, e com o vice-presidente da República, Michel Temer.
   Segundo Ayalon, Israel pode ajudar o Brasil nas questões relacionadas à segurança dos Jogos Olímpicos porque o país dele “tem grande experiência na área de segurança interna”. O país é um dos que mais investem em segurança interna, por causa dos conflitos com os países árabes vizinhos, que remontam à criação do Estado de Israel, após a 2ª Guerra Mundial, e com grupos armados que defendem a criação do Estado Palestino.
   Nos Jogos Olímpicos de 1972, em Munique (Alemanha), oito terroristas do grupo Setembro Negro, ligado à causa palestina, invadiram o alojamento dos atletas israelenses, mataram dois e fizeram nove reféns. Durante a tentativa de resgate pela polícia alemã, todos os reféns foram mortos, junto com cinco sequestradores e um policial. O fato ficou conhecido como Massacre de Munique.
   Aylon disse que o governo israelense também tem interesse em abrir canais de cooperação com o Brasil na área de energia. Ele explicou que Israel descobriu, recentemente, uma reserva de gás natural em alto-mar e que essa é uma área na qual o Brasil já tem experiência.
* Com informações da Agência Brasil

terça-feira, 13 de março de 2012

O cachorro e o coelho!

    Eram dois vizinhos. Um deles comprou um Coelhinho para os filhos. Já os filhos do outro pediram um bichinho maior, um Cachorrinho Pastor Alemão. Papo entre eles (os vizinhos):

- Mas o seu cachorro vai comer o meu coelho!


- De jeito nenhum. Imagina... O meu pastor é filhote. Vão crescer juntos, pegar amizade... Pode acreditar em mim, pois eu entendo de bicho!


    E parece que o dono do chachorro tinha mesmo razão. Juntos cresceram e amigos se tornaram... Era normal ver o coelho no quintal do cachorro e o cachorro, vive-versa.


    Eis que o dono do coelho foi passar o final de semana na praia com a família e o coelho ficou só.


    Domingo, à tardinha, o dono do cachorro e a família tomavam um lanche, quando entra o pastor alemão na cozinha. Pasmo, trazia o coelho entre os dentes, todo imundo, arrebentado, sujo de terra e, é claro, completamente morto.


    Quase mataram também o cahorro de tanto agredí-lo. Dizia o homem:


- O vizinho estava certo, e agora? Só podia mesmo dar nisso!


O problema maior é que os vizinhos iam chegar em algumas horas, o que fazer? Todos se entreolharam...


    O cachorro, coitado, chorando lá fora, e lambendo os seus ferimentos.


- Já pensaram como vão ficar aquelas crianças?

De repente, não se sabe exatamente quem teve a boa idéia, mas parecia infalível: "Vamos banhar o coelho, deixá-lo limpinho, depois a gente seca com o secador de cabelos e o colocamos na sua casinha."

    E assim fizeram. Até perfume colocaram no animalzinho. "Ficou lindo! Parece até estar vivo" (disse uma das crianças).


    Logo depois, ouvem o barulho dos vizinhos chegando... Instantes depois, notam os gritos da gurizada:


- Vixe! Descobriram!


    Não passaram nem cinco minutos e o dono do coelho veio bater à porta, assustado (com cara de quem tinha visto um fantasma).


- O que foi? Que cara é essa?

- O coelho, o coelho...
- O que tem o coelho?
- Morreu!
- Como assim, morreu? Eu o vi vivinho da silva ainda hoje...

- Pois é, e ele morreu desde sexta-feira!

- Na sexta?

- Sim, e foi antes de viajarmos, as crianças até o enterraram no quintal e agora REAPARECEU!


    A história termina aqui. O que aconteceu depois não importa... Mas o grande personagem dela é o Cachorro. Imagine o coitado, desde sexta-feira procurando em vão pelo seu amigo de infância. Depois de muito farejar, descobre o corpo morto e enterrado. O que faz ele... provavelmente como o coração partido, desenterra o amigo e vai mostrar para seus donos (imaginando que pudessem fazê-lo ressuscitar). Mas o ser humano continua o mesmo, sempre julgando os outros... Julgando mesmo sem antes verificar o que de fato aconteceu.


    Quanta vezes tiramos conclusões precipitadas e erradas de situações? Nos achamos sempre os donos da verdade... e às vezes fazemos os outros sofrerem por nosso injusto e desastroso julgamento. Pense nisso!


    A vida tem quato sentidos: " Amar , Sofrer, Lutar e Vencer", então, AME muito e SOFRERÁS pouco, LUTE bastante e VENCERÁS sempre... mas jamais julge diante da primeira visão que tiver ou do primeiro comentário que ouvir...


Silvana Lacerda
Fonte: webservos

Bob Marley aceitou Jesus e foi batizado sete meses antes de morrer!

   Robert Nesta Marley, ou simplesmente Bob Marley, morreu em 21 de maio de 1981. Seu pesado caixão de bronze foi levado para o topo da colina mais alta da vila Nine Mile, onde, 36 anos antes, ele havia nascido.
   Juntamente com o corpo embalsamado de Marley, estavam no caixão a sua guitarra vermelha Gibson Les Paul e uma Bíblia aberta no Salmo 23. No final da cerimônia, sua viúva, Rita, jogou um pé de maconha.
   O funeral foi precedido de um culto de uma hora de duração para a família e amigos íntimos na Igreja Ortodoxa Etíope da Santíssima Trindade, celebrado por Abuna Yesehaq, arcebispo da Igreja no hemisfério ocidental. Ele contou que havia batizado Marley em Nova York, em novembro do ano anterior, logo após seus últimos shows no Madison Square Garden. Seguindo a tradição etíope, Bob recebeu um novo nome durante o batismo: Berhane Selassie, ou “Luz da Trindade”.
   Logo após as 11 da manhã, o culto começou com um hino anglicano, “Ó Deus, nossa ajuda em épocas passadas”, acompanhado pelos percussionistas da United Africa Band. Como a melodia do antigo hino, o arcebispo, leu passagens do Livro de João, em Ge’ez, uma antiga língua da Etiópia.
   O governador-geral da Jamaica leu um trecho de 1 Coríntios: “O último inimigo a ser destruído é a morte” A congregação cantou outro hino conhecido, “Quão Grande És Tu”. Logo depois, foi lido parte de 1 Tessalonicenses 3: “Por esta razão, irmãos, ficamos consolados acerca de vós, em toda a nossa aflição e necessidade, pela vossa fé, Porque agora vivemos, se estais firmes no Senhor”.
O ritual fúnebre tipicamente cristão parece estranho para alguém que ficou mundialmente conhecido por ser seguidor do rastafarismo, seita tipicamente jamaicana que proclama Hailê Selassiê I, imperador da Etiópia, como a representação terrena de Jah (Deus). O termo rastafári tem sua origem em Ras (“príncipe” ou “cabeça”) Tafari (“da paz”) Makonnen, o nome de Selassiê antes de sua coroação.
   O motivo disso é que a família de Bob Marley sabia, embora não aceitasse que o cantor recebera Jesus como seu Senhor e renegara o rastafarismo.
   A jornalista Christine Thomasos do site Christian Today Austrália, cita uma entrevista de 1984 que o arcebispo Yesehaq deu ao jornal Jamaica Gleaner.
   “Bob era realmente um bom irmão, um filho de Deus, independentemente de como as pessoas olhavam para ele. Ele tinha o desejo de ser batizado há muito tempo, mas havia pessoas próximas a ele que tentavam controla-lo e que estavam ligadas a um ramo diferente do Rastafari. Mas ele vinha à igreja regularmente”.
   De acordo com Thomasos, Yesehaq explicou que o câncer terminal de Marley foi a motivação por trás de sua conversão: “Quando ele visitou Los Angeles, Nova York e a Inglaterra, ele compartilhou sua fé ortodoxa, e muitas pessoas dessas cidades vieram à igreja por causa do Bob.
   Muitas pessoas pensam que ele foi batizado porque sabia que estava morrendo, mas não foi assim. Ele fez isso quando já não havia qualquer pressão sobre ele. Quando ele foi batizado, abraçou sua família e chorou, todos choraram juntos por cerca de meia hora”.
   Andre Huie, do site GospelCity, escreve sobre o testemunho de Tommy Cowan, amigo íntimo de Bob Marley e esposo da cantora gospel jamaicana Carlene Davis. Cowan diz: “o que pode ser uma agradável descoberta para alguns é que Marley, pouco antes de morrer, confessou Jesus Cristo como Senhor. Em outras palavras, ele negou que Haile Selassie era Deus (como Rastas acreditam) e confessou a Jesus como o único Deus vivo e verdadeiro”.
   Falando sobre o batismo de Bob Marley, Tommy disse ter ouvido o bispo descrever assim o batismo: “Em um momento ele (Bob) chorou por 45 minutos sem parar, suas lágrimas molharam o chão. O Espírito Santo desceu sobre seu corpo e ele gritou três vezes: “Jesus Cristo, Jesus, meu Salvador, Jesus Cristo”.
Traduzido e adaptado de Guardian, Christian Today e Beliefnet

Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/bob-marley-aceitou-jesus-e-foi-batizado-sete-meses-antes-de-morrer/#ixzz1p2XuUE5D

sexta-feira, 9 de março de 2012

Pai da eternidade!

   A despeito de Jesus ser o Filho quando refletimos sobre a trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), o profeta Isaías (9.6) dá agora um novo nome àquele que viria e estabeleceria o seu governo sobre toda criação. Este nome é Pai da Eernidade, que nos remete a outra dimensão de tempo, a eternidade, que segundo a definição em nossa língua é “duração sem princípio nem fim” ou ainda “existência absoluta, sem início ou fim”. Segundo Wanes M. Wirbe, no contexto dos judeus (AT) a palavra Pai significa originador ou fonte. Assim, em Jesus temos a origem e a fonte de tudo o que é eterno e importante para nós. Através de Jesus temos:

 Valores eternos.

   Vivemos em uma rotina de vida que nos leva, muitas vezes, a pensarmos tão somente no aqui e no agora. Podemos nos envolver tanto com o dia a dia de nossas atividades e perdemos a perspectiva do futuro e da esperança que é proposta por Cristo. A pergunta que este nome de Jesus deve gerar em nossa mente e coração é: O que realmente é importante para nós? O apóstolo Paulo nos ajuda a encontrar a resposta: “não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas” (2 Coríntios 4.18). Que os nossos olhos se voltem para os valores que são eternos!

 Tesouros eternos.

   O próprio Jesus fez o alerta em Mateus 6.19-21: “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração”. Em uma sociedade capitalista, em tempos de compras (natal) muitos estão ajuntando tesouros que se perdem rapidamente. Uma crise, uma variação nas bolsas, uma alta ou baixa do dólar ou petróleo, e tudo está em risco. Mas o Pai da Eternidade tem para nós tesouros que não se consomem. Que o nosso coração se volte para os tesouros eternos!

 Vida eterna.

   Foi porque Deus amou a sua e a minha vida de uma maneira tão intensa que ele enviou o Pai da Eternidade para que, ao simplesmente crermos nele e em sua obra salvadora, não morramos mais, mas tenhamos vida eterna (João 3.16). Logo, nosso corpo corruptível se revestirá de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestirá de imortalidade, “então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória” (1 Coríntios 15.54). Estamos de passagem, somos peregrinos, aqui não é nossa morada. Viemos de Deus, existimos em Deus e voltaremos para Deus. Que a nossa vida se volte para a esperança dada por Jesus, a vida eterna!
   O convite para nós hoje é que nos voltemos para Jesus Cristo, pois qualquer coisa eterna que nós desejemos, deve vir de dele, pois ele é o Pai da Eternidade.

Fonte: http://estudos.gospelprime.com.br/pai-da-eternidade/#ixzz1oe6XY4Wq